Saúde

Secretaria da Saúde garante compra do Mirena com desconto de 31% - 04/06/2004 00:00

O anticoncepcional Mirena, que tem aplicação intra-uterina e será distribuído pela Secretaria de Estado da Saúde para o tratamento de mulheres que não devem engravidar, foi comprado com um desconto de 31% do laboratório Schering, único fabricante do dispositivo.
O preço médio de venda do fabricante para as clínicas e laboratórios particulares é R$ 644,10. A Secretaria adquiriu 450 unidades do medicamento por R$ 438,74 cada. Contando com o valor do procedimento médico para inserção do dispositivo, o custo médio do Mirena no mercado é de R$ 900,00 a unidade.
O novo contraceptivo começará a ser distribuído no segundo semestre nos Centros de Referência da Mulher, que serão implantados em cidades-pólo do Estado. O método é aprovado pelos principais profissionais da área e é sugerido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) a todos os gestores públicos. “Esse é um bom método, já que contém uma substância que evita o sangramento, por isso é indicado para pacientes com risco reprodutivo elevado”, explica o presidente da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Paraná (Sogipa), Vinicíus Budel.
O Mirena é indicado para as mulheres que não devem engravidar temporariamente ou definitivamente e que não se adaptam ao Dispositivo Intra-Uterino (Diu) convencional. Além disso também deve ser utilizado por mulheres com históricos médicos específicos, como antecedentes de anemia ou diabetes, que não podem utilizar métodos que provoquem sangramentos, como o Diu. “Esse método libera lentamente um medicamento que evita o sangramento, por isso ele é mais caro”, lembrou Budel.

Solução - O Mirena é a melhor opção de tratamento para pessoas como a administradora de empresas Maria Angélica da Silva, que, em função da grande quantidade de fluxo menstrual, tinha problemas de labirintite, stress, cólicas, além de fraqueza, que era compensada com a ingestão de vitaminas e hormônios. Ela colocou o Mirena há dois meses e diz que se arrepende por não ter utilizado o medicamento antes. “Eu tinha problemas homéricos, tratei a minha vida inteira e agora que eu descobri o Mirena, está sendo a salvação da minha vida”, comenta, empolgada. Com a distribuição do medicamento, a Secretaria pretende contribuir para aumentar a qualidade de vida de pessoas que têm problemas como os que Maria Angélica tinha.
A Secretaria apresentou ao Conselho Estadual de Saúde (CES-PR) e ao Ministério Público Estadual a justificativa técnica para o uso do contraceptivo e estima que, no início, cerca de 450 pacientes no Paraná precisem utilizar esse método.

Indicação - O novo método que será oferecido pelo Governo do Estado é indicado para os seguintes casos: mulheres HIV positivo que devem esperar pela redução da replicação viral para permitir uma gestação e que necessitam de um método seguro e reversível; mulheres em que a laqueadura não pode ser realizada por haver uma contra-indicação médica para ato cirúrgico; pacientes com necessidade de anticoncepção eficaz e temporária ou reversível, como aquelas com hipertensão grave ainda descompensada, diabetes descompensado; pacientes multíparas que não desejam laqueadura; pacientes que tomem medicamentos como lítio e talidomida.
No caso das pacientes multíparas, o uso do contraceptivo é importante porque cerca de 31% das mortes maternas em 2002 aconteceram em mulheres com mais de 4 partos e que já poderiam estar protegidas por método seguro.
Uma das propostas do pacto nacional pela redução da mortalidade materna e neonatal lançado em fevereiro de 2004 pelo Ministério da Saúde é justamente o aumento do acesso a métodos de contracepção seguros e reversíveis.
O Mirena não é um método anticoncepcional liberado para qualquer mulher e os demais métodos oferecidos pelo SUS, como o Diu de cobre, continuam disponíveis no Paraná. Para os casos especiais, o novo medicamento é essencial, por não haver menstruação em 70% dos casos, não haver cólicas, e por promover melhora em quadro de dismenorréia, endometriose e miomatose. As mulheres que utilizarem o medicamento terão revisões semestrais com exame ginecológico e anuais por meio de ultra-sonografia com a devida observação de sinais e sintomas.

Mirena – O Mirena é um endoceptivo válido por cinco anos. Tem o sistema a característica de liberar micro-doses de progesterona ao nível de útero, fazendo com que não haja o espessamento do endométrio com a conseqüente atração do óvulo para a fecundação e também propiciando um enrijecimento importante do muco do colo uterino impedindo a passagem do espermatozóide.
Recomendar esta notícia via e-mail:
  • Imprimir
  • Recomendar
  • Compartilhe
  • PDF
  • Inicial
  • Voltar

O que já publicamos sobre:

Últimas Notícias:

Leia mais

  • Assessorias de Comunicação
  • Notícias para Rádios
  • TV ao Vivo
  • Rádio ao Vivo
  • Acesse www.dioe.pr.gov.br. Informação no tempo certo.
  • Saiba tudo sobre a Nova Gripe - Gripe A - Influenza A (H1N1) - Informe-se e previna-se
  • Paraná contra a Dengue - Informe-se e Previna-se
  • Cadastre-se para receber nosso Boletim Informativo